Não há dúvidas de que um grande motivo pelo qual as pessoas amam mergulhar é a chance de viver incríveis encontros com a vida marinha. Dos enormes tubarões-baleia das Maldivas aos minúsculos cavalos-marinhos pigmeus da Indonésia, testemunhar as maravilhosas espécies marinhas que vivem em nosso oceanos em primeira mão é realmente fenomenal e inesquecível. Também é algo que não pode ser comparado a olhar fotos físicas ou em uma tela.

São esses momentos extraordinários que os mergulhadores (e muitos outros não mergulhadores) tanto esperam, e é por isso que estamos compartilhando alguns dos incríveis encontros com a vida marinha de nossos mergulhadores que acontecem quando você Vive Sem Filtros #LiveUnfiltered.

Vamos mergulhar!


Eric e Sonia: Baleias-Jubarte

“Tem aqueles momentos na vida que são difíceis de descrever. Elas são tão diferentes de tudo que você já viveu que fazem você se sentir extasiado, emotivo e atordoado. Elas são maiores que palavras ou fotos podem capturar e de alguma forma maiores que apenas um encontro físico. 

Nós visitamos Moorea recentemente, uma viagem com que sonhávamos há anos, por ser um dos únicos lugares do mundo em que você pode nadar com a majestosa baleia-jubarte.

Nós fizemos um tour privado com a Moorea Ocean Adventures, uma equipe de biólogos marinhos e capitães de barco experientes que realmente focam em respeitar a vida selvagem marinha. Do navio, nós vimos 3 baleias adultas viajando juntas, soprando arco-íris e mostrando suas belas barbatanas dorsais. O que nós nunca podíamos imaginar foi o que aconteceu a seguir. O capitão do nosso barco ouviu de outro barco que havia outras 4 baleias viajando na direção oposta das 3 primeiras. Ele disse que havia a chance de as 7 delas se encontrarem no mesmo ponto, então nós iríamos participar da festa das baleias. 


Nós pulamos no profundo oceano azul alguns minutos depois e nadamos mais de 200 metros. Então uma baleia veio do abismo, seguida de outras duas. E então mais 4 baleias se juntaram, flutuando bem abaixo de nossos pés. Foi um dos encontros com a vida selvagem mais épicos que poderíamos ter imaginado. ”

Confira o Guia de Mergulho para a Polinésia Francesa da PADI aqui


Leila: Tubarão Baleia

Whale shark: Live Unfiltered

Koh Tao está longe de ser desconhecido para mergulhadores, mas seu maior atrativo para nós – incrivelmente longe das águas mornas – foi a possibilidade de ver um tubarão baleia. 

Durante mergulhos de lazer diários, os dive masters nos alertaram para não esperar “o grande peixe pintado”! Uma manhã, nós subimos depois de um mergulho incrível para ouvir gritos dos barcos: tubarão! Nós subimos em nosso barco o mais rápido possível para descobrir que o capitão do barco ouviu pelo rádio que o grande peixe pintado (tubarão-baleia) estava na área do naufrágio. Nós trocamos nossos cilindros e vestimos novamente nosso equipamento. Ao fazer as checagens com nossos parceiros, a empolgação era notável, misturada com a preocupação de que nós o perderíamos. Conforme nos aproximamos da área, outros mergulhadores estavam subindo – não era um bom sinal – e ao entrarmos na água, eles disseram que ele tinha ido embora. Meu coração afundou até que um divemaster gritou: Está aqui! Nós descemos e, entre o caos de bolhas, eu o vi, o tubarão baleia. Com cinco metros de comprimento, seus movimentos na água nunca foram ameaçadores, mas hipnóticos. Conforme senti lágrimas escorrendo, eu percebi o quanto mergulhar era essencial. Sem isso, eu nunca conseguiria me conectar com a natureza como eu fiz. Nós passamos vinte minutos com o tubarão e, quando ele se despediu, eu me senti muito grata, então eu percebi que havia esquecido minha câmera! Mas tudo bem. Eu sei que nunca me esquecerei disso”.

Por @reira_l15


Marina: Mergulho em Naufrágio

“Quando soube que havia um enorme avião submerso no fundo do Mar Vermelho em Aqaba, imediatamente decidi que queria mergulhar lá. O avião não estava danificado, então era possível entrar e nadar dentro dele. Até os bancos do avião ainda estavam dentro. Conforme eu nadava pelo avião, ele estava repleto de vida marinha, e eu ainda encontrei esqueletos na cabine do piloto e no banheiro. Mergulhar lá foi uma experiência absolutamente incrível”. 

Saiba mais sobre se tornar um mergulhador de naufrágios aqui


Tom: Tubarões-martelo

“Nós partimos das docas bem cedo pela manhã em um dia claro de Março, na Ilha San Cristobal, uma das três ilhas habitadas do Arquipélago de Galápagos. Nós seguimos em direção a Leon Dormido, ou Kicker Rock, um cone de lava de 150 metros composto de antigas cinzas vulcânicas empilhadas sob o leito do oceano. O ponto de mergulho conta com um canal que divide o cone em duas partes, alimentando uma forte corrente e rota de nado ao redor do local. 

Conforme descemos nas águas surpreendentemente frias, eu fiquei apaixonado por cardumes vibrantes de peixes, corais, e, ocasionalmente, tubarões galha-branca, galha-preta, Galápagos e martelo que nos espiavam por alguns instantes antes de desaparecerem novamente no azul profundo. 

Nós estávamos flutuando pelo canal quando tubarões-martelo-recortados, balançando graciosamente, lentamente emergiram do horizonte azul em que estávamos boiando. Eu fiquei impressionado pela magnitude e beleza desses predadores de ponta. Eu comecei a gravar boquiaberto (ao menos um pouco mais que o normal) e cheio de adrenalina. 

Eu retornei do mergulho à superfície em reverência, grato por testemunhar uma das maiores migrações da vida em nossos oceanos. Até hoje, minha experiência de mergulho com tubarões-martelo em migração é minha memória subaquática favorita e uma das mais esplêndidas experiências de vida. Foi incrível testemunhar a abundância da vida marinha apoiada por fortes práticas de gestão oceânica em Galápagos.”.

Por @tom_condon_

Descubra os 5 melhores lugares para mergulhar com tubarões-martelo aqui


Janie: Golfinhos

“Estava no barco inflável com um grupo de 5 pessoas e sem expectativas, aproveitando o sol morno aquecendo nossos trajes de mergulho e a brisa marinha, mas sem golfinhos. 

Alguns minutos antes de voltar, nós de repente vimos uma pequena barbatana próxima ao horizonte! Eu não pude acreditar. Era a primeira vez que eu via um golfinho! 

Com apenas nossos pés-de-pato, máscaras e snorkel, pulamos na água para observá-los. Um grupo inteiro de 10 a 12 golfinhos veio nos investigar, curiosos! 

Cuidadosamente, assistimos-lhes com nossos olhos (*nunca toque na vida marinha!!**).

Eles não pareciam reais. Um curioso estava nadando com a barriga para cima alguns metros abaixo de mim. Eles rodopiavam em volta de nós e pareciam mesmo estar brincando! Eu pude ouvir seus sons, como canto subaquático. De repente, um veio na minha direção e começou a fazer círculos a minha volta, olhando-me de perto, interessado. Naquele exato momento, nós estávamos olhando um para o outro, e palavras não podem descrever a conexão que eu senti. Eu não me mexi nem um centímetro; eu só filmei o momento enquanto aproveitava esse encontro privilegiado”.

Por @indianajayne_

Confira os 10 melhores lugares para nadar e mergulhar com golfinhos aqui


James: Raias Manta

“Eu amo mergulhar pela sensação de existir sob as águas, mas o que realmente me faz voltar de novo e de novo são os encontros com a vida selvagem marinha, e, por mim, quanto maior, melhor. Não há raias maiores que as mantas, e então uma série de encontros com elas durante um liveaboard nas Maldivas fez toda a viagem valer a pena. Fazer snorkel ao lado de mantas que se alimentavam nas bordas de um recife foi divertido; mas exigiu muito esforço para nadar contra as ondas, e precisei de muito cuidado para evitar perturbar acidentalmente as raias, mantendo uma distância respeitável e prevendo seus movimentos. 

Imagine então o prazer de fazer um mergulho que só tem recompensas e nenhum esforço.

Após uma refeição muito agradável, nós seis assistimos ao sol se por no horizonte, então pegamos nossos equipamentos e descemos nas águas mornas do Oceano Índico. Descendo 15 metros seguindo uma linha, nós verificamos que não havia nada para perturbar e nos ajoelhamos na areia fofa. Então acendemos nossas lanternas e esperamos. O plano era simples; as luzes atraem plâncton e o plâncton atrai as mantas. Uma após a outra elas vinham investigar a luz e fazer uma refeição fácil, performando um ballet submarino gracioso para filtrarem os pequenos organismos atraídos por nossas lanternas. Entre todos os giros para trás e curvas acentuadas, as raias nadavam em círculos ou sobre as rodas dos mergulhadores que as assistiam. Todo o encontro foi de acordo com as mantas, e nós apenas tivemos o privilégio de assistir enquanto elas se alimentavam, ocasionalmente nos curvando para o lado para evitar sermos atingidos no rosto pelas asas ou caudas. Quando o ar terminou, nós apenas subimos para nossa parada de segurança, e subimos para ver a cara de inveja dos mergulhadores que optaram por um outro mergulho.

Vários dos meus melhores encontros marinhos, e dos meus amigos, dependeram apenas da sorte, e eu queria compartilhar um momento que qualquer mergulhador tem uma chance razoável de vivenciar. Qualquer mergulhador treinado poderia ter feito aquele mergulho e vivenciado a magia que encontramos, e qualquer mergulhador que tentar esse mergulho tem uma boa chance de replicar ou melhorar nossos resultados. Eu sempre me surpreendo com mergulhadores que nunca mergulharam à noite, há um outro mundo completo para se explorar quando o sol se põe, e não precisa ser desafiador para ser extremamente recompensador.”

Por @wilderness_jim

Confira aqui os melhores lugares para se mergulhar com raias manta


Sarah: Raias Mobula

mobula ray fever baja peninsula

“Conforme eu afundei minha cabeça nas águas cristalinas da costa da Baja California Sur, não pude acreditar no que via. Um cardume enorme de raias mobula estava circundando graciosamente ao meu redor. Seus corpos aerodinâmicos eram uma vista a se apreciar. As raias se moviam em perfeita harmonia, como um cardume de peixes, mas em maior escala.

Eu fui atraída por seus movimentos suaves, quase hipnotizantes, e pude sentir meu coração bater mais devagar conforme desci mais nas águas. Eu fiquei surpresa com o simples número de raias no cardume, e conforme (calmamente) mergulhei mais fundo para olhar mais de perto, elas pareceram me convidar para sua dança.

Subindo de volta, a cada vez que respirava, eu me sentia mais conectada a esse mundo marinho tão inspirador. Eu assisti maravilhada as raias darem cambalhotas, dançarem e planarem na água, as pontas de suas assas se movendo em um padrão sincronizado e ritmado. Foi como se elas estivessem dando um show particular para mim.

Quanto mais fiquei com elas, mais eu senti calma e tranquilidade. Estar entre essas raias gentis foi uma experiência que me deu humildade, e eu sabia que nunca esqueceria aquele momento. Quando emergi da água, percebi que aquelas criaturas não penas eram belas, mas também um símbolo da importância de se preservar o oceano. Eram um lembrete de que precisamos proteger essas criaturas e seu habitat para garantir que elas continuem a prosperar em nossos oceanos.”

Por @everymileblog


Viveu alguns encontros incríveis com a vida marinha que você gostaria de compartilhar conosco? Adoraríamos ouvi-los!

Você também pode ensinar amigos e familiares que não mergulham tudo sobre a mentalidade de Viver Sem Filtros (#LiveUnfiltered) e os benefícios de se aprender a mergulhar. E, se eles estiverem prontos para pular na água, matricule-os para terem seu certificado PADI Open Water Diver.


Compartilhe